Monday, 20/05/2024 - 07:28
04:04 | 27/06/2019
Os peixes, havia muito tempo, estavam descontentes, porque em seu país não mais reinava a ordem; não se importavam uns com os outros e cada qual nadava para a direita ou para a esquerda, conforme lhe dava na cabeça, entrando pelo meio do cardume daqueles que preferiam manter-se juntos, ou, então, atrapalhava-lhes o caminho sem a menor consideração. O mais forte maltratava o mais fraco, dando-lhe rabanadas que o jogavam para longe, ou o devorava sem mais aquela.
– Oh, como seria bom se tivéssemos um rei, que fizesse respeitar entre nós a lei e a justiça! – murmuravam os peixes.
Um belo dia, reuniram-se e combinaram escolher o seu senhor, o qual deveria ser o que com maior rapidez soubesse cortar as ondas e correr em auxílio do mais fraco e do que se encontrasse em perigo.
Resolvido isto, colocaram-se todos enfileirados junto à margem; o lúcio deu o sinal com sua cauda e, num só arremesso, partiram todos ao mesmo tempo. O lúcio projetou-se qual uma seta e com ele o arenque, o gobião, a perca, a carpa, enfim, seja lá que nome for, todos os demais peixes. A solha também competia com eles, cheia de esperança de alcançar a meta.
Subitamente, ressoou um grito:
– O arenque está na frente de todos!
– Quem é que está na frente? – gritou agastada e com inveja a solha que, por sinal, ficara muito atrás dos outros. – Quem está na frente?
– O arenque! o arenque! – responderam-lhe.
– Aquele miserável arenque! – gritou ela espumando de inveja, – aquele miserável arenque! – e torceu a boca de raiva.
Desde esse dia, por castigo, a invejosa solha ficou com a boca torta.

 



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *